Torradas com avocado, gorgonzola e kiwi caramelizado | A Grande Beleza

Embora não seja um diretor muito conhecido, Paolo Sorrentino ganhou visibilidade este ano ao ser indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro com seu mais recente A Grande Beleza – ao qual ele venceu com todos os méritos. Pois, apesar de ser uma dura crítica à sociedade moderna como um todo, em especial a italiana, o filme é uma exibição de adoração a Roma, a cidade mais decadente e mais bonita do mundo.

O diretor mostra uma Roma ensimesmada, de personagens patéticos e arrogantes, todos oriundos da mais alta burguesia romana. A história acompanha um período na vida do escritor Jep Gambardella – o homem de um único livro que o levou ao estrelato – e da fauna de amigos que ele colecionou durante a vida: um homem apaixonado por uma ex-atriz que o despreza, uma mulher cujo filho enlouqueceu com os ensinamentos de Proust, uma que se sente intelectualmente superior aos outros, e a editora anã Dadina, sua amiga mais próxima, que diz ter a sorte de poder conservar o olhar das crianças devido a sua condição.

O tema central do longa são as aparências, e como essas pessoas – nitidamente vazias (e inseguras) por dentro – fazem de tudo para mantê-la. Assim, mesmo que as conversas de Jep com seus amigos sejam somente sobre acontecimentos políticos e debates filosóficos, fica a sensação de que ali paira um ar blasé, de que todos são superiores uns aos outros e ao mundo que os cerca.

Em clima hedonista na maior parte do tempo, especialmente na sequência inicial da festa, as situações que Sorrentino cria são claramente desconfortáveis por mostrarem um universo de pessoas alienadas com a própria posição social – e ele leva o conceito de que “meu filho pode fazer melhor” a um nível surreal, colocando uma menina de 10 anos para pintar quadros enquanto é observada por uma plateia que claramente se mostra “entendida” de arte, ávida por novidades que as tire da monotonia cotidiana.

Enquanto o cineasta brinca com influências de grandes mestres do Cinema (como Federico Fellini e Terrence Malick), ele expõe Roma em seu esplendor, com paisagens magníficas da cidade banhada por uma luz dourada, melancólica e eterna. E essa é a grande graça de A Grande Beleza, que consegue lidar com temas tão diferentes e amplos de maneira ora divertida e absurda, ora contemplativa e nostálgica.

Para combinar, pois, com um filme tão denso e cheio de significados, imaginei a princípio que teria de fazer uma comida complicadíssima, cheia de ingredientes refinados. Mas a ideia que saiu para o acompanhamento foi quase o contrário. Ao invés de montar um prato delicado, pensei em algo mais grotesco, e as torradas com avocado, gorgonzola e kiwi caramelizado simbolizam justamente isso.

Então, embora tenha ingredientes aparentemente “finos” (porque, na real, não o são), o resultado é que os recheios das torradinhas mal e mal se equilibram. E, apesar de feio, a combinação dos três é divina. Decidi que iria usar o avocado (aquele abacate menor, de casca escura) porque seu sabor é mais suave, e ele em uma consistência mais firme para montar as torradas. E ao kiwi, porque queria algo que harmonizasse com o gorgonzola – não entendo nada de harmonização, ok? Que fique claro hahaha. Mas ficou realmente perfeito. Ponto para mim!

TORRADAS COM AVOCADO, GORGONZOLA E KIWI CARAMELIZADO

rende 04 torradas
Tempo de preparo: 15 minutos
Tempo de preparo do kiwi: 5 minutos
Tempo total: 20 minutos

Ingredientes

2 avocados
2 kiwis
4 pedaços generosos de queijo gorgonzola
4 fatias de pão (usei italiano)
2 colheres (sobremesa) de mel
4 colheres (sobremesa) de manteiga
cebolinha
sal

Modo de preparo

Comece com o pão. Jogue uma colher de manteiga na frigideira e “frite” os dois lados do pão até ficar douradinho. Faça isso com as três fatias restantes, usando uma colher de manteiga para cada fatia. Em seguida, abra os avocados, retire a semente e a casca. Corte fatias grandes ou amasse em uma pasta para passar sobre o pão. Separe as fatias de gorgonzola e corte alguns talos de cebolinha a gosto, e reserve.

Abra os kiwis, retire a casca e corte-os em cubinhos – cortei cada metade em dois. Em outra frigideira, leve os kiwis ao fogo baixo com o mel até todos os pedaços ficarem mais escurinhos e completamente caramelizados. Retire do fogo e reserve o caldinho que sobrar.

Para montar, coloque o avocado no pão, tempere com um pouquinho de sal (se quiser), e coloque as fatias de gorgonzola por cima. Com cuidado, vá colocando os pedacinhos de kiwi por cima do queijo. Com o caldinho de mel restante, jogue por cima das torradas já prontas. Tempere com a cebolinha e voilá!

Delicioso, nutritivo e saudável, tudo ao mesmo tempo. Raro isso acontecer por aqui…

Beijos, e até o próximo post!
🙂

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s