Macedônia de frutas | O Albergue Espanhol

“Mas é Carnaval, não me diga mais quem é você”, já cantaria Chico Buarque nessa gloriosa sexta-feira véspera do feriado mais amado do Brasil. E eu estou assim, em clima de pura alegria, porque, além de já ter começado o feriado, vou falar de um filme que é só amor no meu coração. Sim, é o tal O Albergue Espanhol, que comentei ser a primeira parte de Bonecas Russas no primeiro post da semana.

Um dos longas de estreia de Cédric Klapisch no circuito internacional, o longa também alavancou a carreira de dois dos atores franceses mais conhecidos atualmente: Romain Duris e Audrey Tatou (a Amélie Poulain). Duris faz o papel do protagonista, Xavier, um jovem universitário que precisa aprender espanhol e, para isso, decide terminar a faculdade de economia em outro país através do programa de educação internacional europeia Erasmus. Mais precisamente na Espanha. Começaram a entender? Ele se muda, então, para Barcelona, deixando a namorada Martine para trás.

Lá ele consegue alugar um quarto em um pequeno mas aconchegante apartamento, que divide com vários outros estudantes do mundo inteiro: uma francesa, um italiano, uma inglesa, um dinamarquês, uma belga, um alemão e uma espanhola de Tarragona. E Xavier, da França. Sim, todas essas pessoas cabiam em um apartamento, e começam a dividir o cotidiano, as felicidades, angústias e segredos.

Juntos, esse grupo de desconhecidos se envolve em um caldeirão de emoções e descobertas da vida adulta, tendo em comum apenas o amor e a amizade como idiomas principais – tá, e o inglês também. Claro, porque, não importa para onde você vá, o inglês vai ser sempre a língua universal entre pessoas de diferentes culturas.

Como eu disse no post anterior, assisti a esse filme quando voltei de uma viagem que fiz com meus pais em 2005. Ele me impressionou tanto que a Espanha permaneceu calcada no meu imaginário de festas e vida boa. Por isso terminei o espanhol lá, em 2009, e voltei em 2011 para fazer um mestrado. E voltaria quantas vezes pudesse, e moraria lá por mais anos e anos.

A Espanha é uma paixão em si, e isso também fica claro no filme. Os estudantes, nas horas livres dos estudos, passeiam pela bela cidade, caminhando pelos parques famosos, as ruelinhas estreitas e conversam com os locais, que contam um pouquinho do que é ser catalão, espanhol e europeu. Eles fazem tudo que os estudantes que nunca viveram querem viver e que aqueles que já viveram, nunca vão esquecer.

Festas, muitas festas, bebedeiras, brigas, discussões inúteis por causa de organização na casa, amizades para a vida toda, novas perspectivas de trabalho, romances, as aulas, os exames, os trabalhos finais… é a vida de universitário elevada à máxima potência. Uma experiência que só acontece uma vez na vida – porque, por mais que você volte em outras ocasiões nunca mais será a mesma coisa – e é absolutamente mágica.

O filme consegue traduzir de maneira cativante essa alegria juvenil, as paixões latentes e a vida boa que é a de se ser estudante na Europa. Por isso, faço novamente uma dupla homenagem, tanto na comidinha que acompanha quanto para a Espanha. Pensando nos quatro personagens “principais” do filme – Xavier e suas três mulheres: Martine, Wendy e Isabelle – fiz uma salada de frutas que é bem a cara desse quarteto amoroso. A salada de frutas tem o nome de “macedônia” na Espanha – o que sugere a mistureba que deviam ser as relações sociais na Macedônia! :p

Decidi que farei a minha versão da salada de frutas, porque acho meio nojento aquele caldinho de gosto indefinido que fica no fundo das tradicionais. Separei quatro das minhas frutas favoritas (e só uma delas que solta muita água) e misturei com muito mel. Contar para vocês que será uma receita recorrente por aqui, porque ficou divino! Dos melhores cafés da manhã que já tomei!

MACEDÔNIA DE FRUTAS

para 01 pessoa
Tempo de preparo: 10 minutos

Ingredientes

Xavier (1 banana)
Martine (1 cacho pequeno de uvas Niágara verdes, aquelas sem semente)
Wendy (06 morangos)
Isabelle (1 fatia de melão)
mel (para adoçar esse paranauê, que se junta todo mundo vira bagunça!)

Modo de preparo

Lave as uvas e o morango e deixe secar bem. Em um potinho, coloque primeiro as uvas e os morangos (inteiros). Com uma concha bem pequena, faça bolinhas com o melão e coloque por cima do morango.

Corte a banana em rodelas e cubra o resto das frutas. Despeje mel em abundância sobre as frutas, movendo ligeiramente o pote para misturar bem. E cabou, só comer!

Delicioso, fresquinho e docinho. Impossível melhorar. Até o chocolate estraga essa receita. Bom demais! É isso, gente.

Beijos, e até o próximo post!
🙂

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s