Sanduíche de queijo verde e ovo cozido | Star Wars

Há muito tempo, numa galáxia muito, muito distante, uma menina de 17 anos decidiu, enfim, deixar os preconceitos de lado e começar a assistir a série cinematográfica de mais prestígio entre os nerds de todos os mundos. Sim, estou falando de Guerra nas Estrelas, seus intrépidos jedis e o eterno Mestre Yoda. Por incrível que pareça – considerando que na minha família tenho ao menos dois primos fissurados na trilogia original – deixei para começar a assistir Star Wars pouco antes do lançamento do sexto filme, A Vingança dos Sith, em 2004.

exc-52d43c0ce4b0cc1b37db6c9e

E quem diz que Star Wars é uma coisa meio ame-o ou deixe-o tem toda a razão. Não conheço uma pessoa que goste “mais ou menos”. Ou ama, ou odeia – fervorosamente para ambos os casos. Eu, que já acumulava a missão de me tornar uma nerd convicta sendo (muito) fã de Tolkien, ganhei mais um adendo. Assisti aos três filmes originais e fiquei absolutamente cativada com aquele universo fantástico, de caçadores de recompensa intergalácticos, robôs quase humanos e naves supermodernas (para a época). Entendi de imediato o porquê do frisson em torno à mitologia criada por George Lucas, e entrei na onda como se fosse surfista profissional.

Em muito pouco tempo comecei a colecionar frases soltas, cenas específicas e trechos de trilha sonora. Não tardou nada para ampliar esses conhecimentos a um nível quase assustador. É certo que os três filmes que vieram a partir de 2001 me engancharam menos – apesar de gostar muito do III. Mesmo assim, não consigo fazer uma maratona SW sem assistir a todos, uma e outra vez. O essencial, jovem padawan, é saber a ordem correta dos números. Isso é muito, muito importante. O primeiro filme é o IV, e o quarto filme é o I. Com isso em mente, fica mais fácil. Bem, vamos ao enredo.

A história de Uma Nova Esperança (SW – IV) gira em torno de Luke Skywalker, um jovem camponês (se é que se pode nomeá-lo assim) que tem sua vida transformada ao cruzar caminho com os robôs R2D2 e C3PO, fugitivos do temível Império Galáctico. Acontece que um dos robôs levava uma mensagem da Princesa Leia para Obi-Wan Kenobi, figuras até então desconhecidas para o jovem Luke. Com a súbita intervenção do Império em sua vida familiar (é, gente, vou contar assim para os hereges que nunca viram, mas que podem ficar motivados após esse relato), Luke decide viajar com Ben Kenobi para ajudar a princesa. É nesse meio-tempo que ele encontra o mercenário Han Solo e seu fiel ajudante, Chewbacca, pilotos da lendária Millenium Falcon.

Os filmes seguintes, O Império Contra-Ataca (V) e O Retorno de Jedi (VI) desenvolvem a aventura iniciada no longa original. E que aventura! Romance, drama, suspense… Star Wars tem de tudo um pouco. E considerando que o primeiro filme foi lançado em 1977, imaginem realmente como não foi a reação do público no cinema ao ver aquela gigantesca nave imperial cruzando a tela.

exc-52d43c36e4b0cc1b37db6cef

Em 2001, Lucas lançou Ameaça Fantasma (como já dito, o filme I), que conta a origem do (melhor) vilão (de todos os tempos), Darth Vader. E desenrola isso nas sequências O Ataque dos Clones (II) e o já mencionado A Vingança dos Sith (III). Bem, o universo de Star Wars é todo cheio de detalhes, mas vocês não podem imaginar como foi difícil surgir com essa receita. Porque, pensando bem, eu poderia fazer o post com qualquer gororoba e dizer que é alienígena.

Mas poucas coisas são, para mim, mais alienígenas do que comida que não deveria ser colorida e é. Tipo: arroz amarelo, macarrão preto ou qualquer coisa na tonalidade azul (não que essas coisas sejam ruins, elas só são visualmente bizarras). Nesse caso, o ingrediente alien que eu tinha era o queijo verde, feito com ervas finas. Ele é bem esquisitão, mas se temperadinho, fica delicioso! E a receita é a de um sanduíche, ou seja: trabalho zero – que é pra dar tempo de comer entre um filme e outro, várias vezes. O toque foi misturar o salgado do queijo com o doce do pão tipo australiano, que tem um toque de mel. Olha só:

exc-52d44113e4b01daac31200dc

SANDUÍCHE DE QUEIJO VERDE E OVO COZIDO

para 01 pessoa
Tempo de cozimento do ovo: 12 minutos

Tempo de preparo: 5 minutos
Tempo total: 17 minutos

Ingredientes

1 ovo
1 pedaço de pão tipo australiano (integral, da Wickbold)
fatias de queijo à vontade
sal e azeite

Modo de preparo

Separe um refratário e encha com água até mais da metade e leve o ovo ao fogo alto para cozinhar. Depois que a água começar a ferver, conte 12 minutos (se quiser mais cozido, espere 15 minutos).

Com cuidado, descasque o ovo (faço embaixo da água fria pra não me queimar) e corte em fatias. Abra o pão e disponha o ovo. Corte cubinhos do queijo verde e tempere com sal e azeite e nhac!

Repetiria esse processo várias vezes por dia, se fosse possível.

Beijos, e até o próximo post!
🙂

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s